Nós queremos conhecer você! Responda a esta rápida pesquisa.

Serra SC Online

Lages

Publicidade

Voluntários poderão apadrinhar crianças e adolescentes oferecendo carinho e suporte material

Publicado por Mário Cesar Silva - 31/08/17 10h40 - Atualizado em 31/08/17 10h45

O mais próximo que uma mulher ou um homem podem chegar da maternidade ou da paternidade, sem que ainda tenham sentido este gosto incomparável para quem já o provou biologicamente, é exercitar o amor de tios ou de padrinhos. A missão de honra de acompanhar o desenvolvimento físico e psicológico de uma criança, seus passos educacionais e o processo ensino-aprendizagem extrapolam a linha limítrofe da obrigação e passam a serem atos e sentimentos de afeto e proteção constantes. Vai muito além de dar presentes em datas especiais e estar nas fotos de aniversário e outras datas festivas.

E para dar esta oportunidade às pessoas, de poder cuidar, sentir na própria pele e praticar as virtudes do altruísmo e da empatia, foi lançado na noite desta quarta-feira (30), no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Lages, o Projeto Acalento, uma proposta alternativa de convivência familiar e comunitária para crianças e adolescentes que vivem em Serviço de Acolhimento Institucional, e em Lages são os Abrigos Menino Jesus, nos bairros Guarujá e Santo Antônio. Desta intenção foi idealizado, pela Secretaria da Assistência Social e Habitação, o Apadrinhamento Afetivo, um projeto para crianças e adolescentes acolhidos, visando o desenvolvimento de estratégias e ações para criar e estimular a manutenção de vínculos afetivos, entre os acolhidos e os voluntários, construindo-se uma relação de padrinho/madrinha e afilhado (a), enaltecendo habilidades profissionais dos voluntários e proporcionando que possam contribuir com os pequeninos a partir de suas capacidades econômica, didática, lúdica e a subjetiva - sentimental.

O credenciamento de padrinhos e madrinhas foi iniciado na mesma noite. O secretário da Assistência Social e Habitação, Samuel Ramos, foi o anfitrião do lançamento e será padrinho provedor. O Acalento foi elaborado a partir de uma experiência exitosa em Brasília (DF), chamada Aconchego, nos mesmos moldes, o que serviu de referência para a alternativa em Lages.

Bem estar e atenção

Com um processo criterioso, a equipe técnica da Comissão Executiva formulou etapas para que aconteça devidamente o apadrinhamento e haja segurança na responsabilidade das atitudes. Exemplo é o apadrinhamento afetivo, em que deverá haver cadastro, apresentação de documentação, entrevista, visita técnica na casa, concordância de cônjuge e de outros membros da família, capacitação de 20 horas/aula com técnicas e dinâmicas de grupo, assinatura de Termo de Compromisso e de Contrato de Participação, avaliação e Diploma Afetivo, com acompanhamento técnico.

O objetivo da Secretaria é fazer com que as pessoas estejam mais perto e inteiradas do funcionamento deste tipo de serviço de acolhimento, além de propiciar momentos de valorização à individualidade, uma vez que o atendimento nos “abrigos” se dá em coletividade. “Que as pessoas possam ajudar no crescimento e na formação dos cidadãos. A ideia não é de adoção e muito menos que as crianças e adolescentes passem período temporário morando na casa de alguém. São três hipóteses de apadrinhamento e o propósito é fazer justamente que a comunidade se sensibilize e se mobilize”, acentua o secretário, enfatizando que a população estará envolvida neste processo de ser parceria do Poder Público. “Queremos que as crianças e adolescentes tenham uma vida mais comum possível, como se inseridos em sua família. Será um projeto brilhante”, prevê Samuel.  

Despertar o ímpeto de amizade é uma das propostas. Segundo o secretário, há grande procura para disponibilizar ajuda e esta será uma das melhores chances. “O lageano tem característica acolhedora e de prestar ajuda ao próximo.” O secretário ainda reiterou que Lages tem pontos críticos de extrema vulnerabilidade. Atualmente são em torno de 6.500 famílias beneficiadas pelo Programa Bolsa Família e o total de famílias cobertas por este e demais programas federais está em cerca de 14 mil.

O juiz da Vara da Infância e da Juventude, Ricardo Alexandre Fiuza e acadêmicos do curso de Serviço Social prestigiaram a apresentação do projeto. “Consiste no direito à convivência familiar e comunitária”, resume o magistrado ao se referir ao lançamento do Acalento. Este direito fundamental está assegurado pelo artigo 227 da Constituição Federal e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

O que é acolhimento?

A caracterização do Serviço de Acolhimento é oferecer acolhimento provisório e excepcional, por determinação do Poder Judiciário, após destituição familiar, para crianças e adolescentes de ambos os sexos, em situação de medida de proteção, em situação de risco pessoal, social e de abandono, cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção. Nestas situações pode haver mínimas chances de reintegração à família de origem, extensa (a exemplo de tios e avós) ou substituta (adoção).

Modalidades

E quem é o padrinho/madrinha prestador de serviço?

Este voluntário consiste no profissional liberal que se cadastra para atender às crianças e/ou adolescentes participantes do projeto, conforme sua especialidade de trabalho, tais como médicos, enfermeiros, dentistas, professores de dança, música, artes, entre outras áreas.

Quem é o padrinho/madrinha provedor (a)?

Compreende aquele voluntário que dá suporte material ou financeiro à criança e/ou ao adolescente, seja com doações de materiais que supram suas necessidades diárias ou através de patrocínio de cursos profissionalizantes, apoio pedagógico, prática esportiva e até mesmo contribuição mensal em dinheiro.

E o apadrinhamento afetivo?

Padrinho ou madrinha com mais de 21 anos, com perfil solidário, sem interesse definido em adoção ou guarda no momento, porém, que deseja apadrinhar crianças e/ou adolescentes acolhidos em uma das unidades de acolhimento institucional. Neste caso poderá haver passeios aos finais de semana e durante as férias.

Como ter um afilhado

Informações adicionais sobre o Projeto Acalento podem ser consultadas junto à Diretoria de Proteção Social Especial de Alta Complexidade, localizada ao lado da Praça João Ribeiro, e ao Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (Saica) unidades I (bairro Guarujá) e II (bairro Santo Antônio). Contatos: 3222-7085/3223-1055.

Voluntrios podero_apadrinhar_crianas_e_adolescentes_oferecendo_carinho_e_suporte_material_1

 

Adicionar comentário

Preencha seu

Código de segurança Digite o código de segurança

Gerar nova imagem

Publicidade